Tradutores

Entre em contato

vendas@editoramundareu.com.br

As nossas traduções são feitas diretamente do original. Reconhecemos a relevância e as dificuldades do trabalho do tradutor e, por isso, buscamos sempre valorizá-lo.

  • Ercilio Faria Tranjan

    Ercilio Faria Tranjan é redator publicitário com doze leões no Festival de Cinema Publicitário de Cannes e o Grand Prix do Festival Ibero-americano de publicidade. Nos últimos anos passou a se dedicar à tradução do espanhol.       

    Para a Mundaréu, traduziu, em parceria com Nilce Tranjan, Montevideanos (Mario Benedetti), Eu assisti ao nascimento de O Senhor Presidente (Arturo Uslar Pietri) e Querido Diego, Sua Quiela (Elena Poniatowska). 

  • Eric Nepomuceno

    Eric Nepomuceno é jornalista (contribui para veículos de imprensa no Brasil, na Espanha e no México) e premiado autor de contos e livros de não-ficção. Morou em diferentes países de língua espanhola ao longo de sua carreira e traduziu obras de autores essenciais da literatura latino-americana, como Julio Cortázar, Eduardo Galeano, Gabriel García Márquez, Juan Carlos Onetti e Juan Rulfo.

    Para a Mundaréu, traduziu O País da Canela (William Ospina).

  • Giovane Rodrigues

    Giovane Rodrigues é doutor pela FFLCH/USP, com especialização em Nietzsche e Ética e História da Filosofia Contemporânea, e tradutor de textos filosóficos e literários.

    Para a Mundaréu, traduziu Montaigne (Stefan Zweig), o prefácio de Giorgio Colli e, com Tiago Tranjan, Schopenhauer como educador (Friedrich Nietzsche), elaborando em conjunto também suas notas e posfácio, e editoriais de Albert Camus (para a edição de A armadilha).

  • Lívia Bueloni Gonçalves

    Lívia Bueloni Gonçalves é doutora em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo e pesquisadora da obra de Samuel Beckett.

    Para a Mundaréu, traduziu O fogo – diário de um pelotão (Henri Barbusse), incluído seu texto complementar, “Crítica à história e crítica do testemunho” (Marc Bloch).

  • Lui Fagundes

    Lui Fagundes é jornalista, editor e tradutor (traduziu O boxeador polaco, de Eduardo Halfon).

    Para a Mundaréu, traduziu Luto (Eduardo Halfon).

  • Luis Reyes Gil

    Luis Reyes Gil é tradutor do inglês, espanhol e catalão. Já traduziu Juan Carlos Onetti, Antonio Skármeta, Chesterton, Truman Capote (cartas), George R. R. Martin, David Peace, Michael Dobbs, Mercè Rodoreda, Alberto Manguel, entre outros.

    Para a Mundaréu, Gil traduziu Memórias de um oficial de infantaria (Siegfried Sassoon), São Francisco de Assis (G.K. Chesterton), O Senhor Presidente (Miguel Ángel Asturias) e Não aceite caramelos de estranhos (Andrea Jeftanovic).

  • Luís Sérgio Krausz

    Luís Sérgio Krausz é professor de Literatura Hebraica e Judaica na USP, doutor e pós-doutor em Literatura e Cultura Judaica pela mesma universidade, com estágio de pesquisa na Universidade Livre de Berlim tese: “Exílio entre o Shtetl e o Crepúsculo: Joseph Roth e o Judaísmo no fin-de-siècle austríaco”, e mestre em Letras Clássicas pela University of Pennsylvania. É membro da Internationale Joseph Roth Gesellschaft, sediada em Viena, Áustria.

    Traduziu Retrato da mãe quando jovem (Friedrich Christian Delius), A Pianista (Elfriede Jelinek), entre outros. Foi o vencedor do 2º Prêmio (2013) Benvirá de Literatura de Ficção, com o romance Desterro.

    Para a Mundaréu, traduziu Marcha de Radetzky (Joseph Roth) e elaborou seu posfácio.

  • Marcus Tulius Franco Morais

    Marcus Tulius Franco Morais estudou Arquitetura e Urbanismo na Universidade de Brasília e é formado em Literatura Alemã pela Freie Universität Berlin e doutor em Estudos da Tradução pela UFSC. Tem larga experiência na tradução de textos literários alemães.

    Para a Mundaréu, traduziu Judeus em exílio e Confissão de um assassino – narrada em uma noite (Joseph Roth).

  • Mario Damato

    Mario Damato é formado em Ciências Sociais pela USP e foi redator publicitário por décadas. Depois de uma longa estada em Madri, acabou se ligando definitivamente à cultura e à língua espanhola.

    Para a Mundaréu, traduziu Andaimes (Mario Benedetti). 

  • Nilce Cervone Tranjan

    Nilce Cervone Tranjan é formada em Filosofia pela USP e teve uma carreira multifacetada, passando pelo cinema, jornalismo, comunicação e publicidade. Recentemente, resolveu dedicar-se também à tradução do espanhol.

    Para a Mundaréu, traduziu, em parceria com Ercilio Tranjan, Montevideanos (Mario Benedetti), Eu assisti ao nascimento de O Senhor Presidente(Arturo Uslar Pietri) e Querido Diego, Sua Quiela (Elena Poniatowska). 

  • Paulo Serber Figueira de Mello

    Paulo Serber Figueira de Mello é formado em Ciências Sociais pela USP e mestre em Teoria e História Literária na UNICAMP, com uma dissertação sobre o romance A armadilha.

    Para a Mundaréu, traduziu A armadilha (Emmanuel Bove).

  • Ricardo Ploch

    Ricardo Ploch é mestre em Filosofia da Lógica pela USP e tradutor de textos filosóficos do inglês e do alemão.

    Para a Mundaréu, traduziu Uma juventude na Alemanha (Ernst Toller) e Espaço e tempo na física contemporânea (Moritz Schlick).

  • Sibele Paulino

    Sibele Paulino é mestre em Estudos Literários, com ênfase no diálogo entre literaturas alemã e brasileira, e doutora em Geografia pela UFPR, com uma tese sobre o escritor Robert Müller.

    Para a Mundaréu, traduziu O súdito (Heinrich Mann), incluindo o prefácio de Kurt Tucholsky.

  • Silvia Naschenveng

    Silvia Naschenveng é editora literária.

    Para a Mundaréu, cometeu a tradução, com Vicente de Arruda Sampaio, de Um apolítico vai ao Reichstag (Joseph Roth).

  • Tiago Tranjan

    Tiago Tranjan é doutor em Filosofia da Lógica pela FFLCH/USP e professor do Departamento de Filosofia da UNIFESP.

    Para a Mundaréu, traduziu Schopenhauer como educador (F. Nietzsche), com Giovane Rodrigues, elaborando em conjunto também suas notas e posfácio, e o poema “Hino à juventude condenada”, de Wilfred Owen (para a edição de Memórias de um oficial de infantaria).

  • Ugo Giorgetti

    Ugo Giorgetti é um diretor e roteirista de cinema e colunista de futebol. Dirigiu Festa (1989), melhor filme do Festival de Gramado, Sábado (1994), Boleiros – Era uma vez o futebol (1997),e A cidade imaginária (2014), entre vários outros.

    Para a Mundaréu, traduziu Um ano sobre o altiplano (Emilio Lussu) e escreveu seu prefácio.

  • Vicente de Arruda Sampaio

    Vicente de Arruda Sampaio é mestre em Filosofia pela Unicamp e trabalha como professor de línguas (alemão e grego antigo) e de filosofia e tradutor (alemão e grego antigo).

    Para a Mundaréu, traduziu, com Silvia Naschenveng, de “Um apolítico vai ao Reichstag” (Joseph Roth).