Judeus em exílio

Paris 1935, two men in the jewish quarter. Image by photographer Fred Stein (1909-1967) who emigrated 1933 from Nazi Germany to France and finally to the USA. 1935. Credit: Album / picture alliance / Fred Stein
Autoria de
Joseph Roth

Tradução por Marcus Tulius Franco Moraes

Idioma: português
Edição: 1ª
Preço: R$ 36,00
Ano de lançamento: 2017
Número de páginas: 120
ISBN: 978-85-68259-17-7

Migrações européias no início do século XX

Neste ensaio, Roth associa sua prosa luminosa e melancólica à observação investigativa: retrata o mundo judaico europeu das primeiras décadas do século XX.
A peregrinação narrativa de Roth envereda por caminhos que não passam por imagens e temas frequentemente associados à comunidade judaica nos dias de hoje. Roth aborda a pobreza, a marginalização, o misticismo, as cidadezinhas, as festas e o cotidiano dos judeus no Leste Europeu e o estranhamento mútuo entre as comunidades do Leste e da Europa Central e mais a oeste, um modo de vida que logo entraria em extinção e do qual restam apenas vestígios e, cada vez menos, memórias.

Quer adquirir esse livro?

Clique aqui para comprar

Sobre o autor

Joseph Roth (1894-1939), judeu austríaco, nasceu em Brody, cidadezinha na Galícia, então leste do Império Austro-húngaro e hoje dividida entre Ucrânia e Polônia. Em 1916, abandonou seus estudos na Universidade de Viena para servir o exército austríaco na Primeira Guerra Mundial.

Após o fim da guerra, trabalhou como jornalista em Viena, Berlin (foi colaborador do notável Frankfurter Zeitung entre 1923 e 1932) e Paris, para onde foi em razão da tomada do poder pelos nazistas na Alemanha, em 1933. Paralelamente à atividade de jornalista, escreveu romances, peças, novelas e contos, como Jó – Romance de um homem simples (Companhia das Letras), Hotel Savoy e A lenda do santo beberrão (os dois últimos publicados pela Estação Liberdade).

Viveu seus últimos anos em Paris, com dificuldades financeiras e sofrendo de problemas de saúde e de grande nostalgia. Morreu pouco antes do início da Segunda Guerra Mundial, depois de um colapso ao saber do suicídio de um amigo, o dramaturgo alemão Ernst Toller, exilado em Nova Iorque.

Sobre o tradutor